[Resenha] Os 13 Porquês - Jay Asher



Título: Os 13 Porquês
Autor(a): Jay Asher
Editora: Ática
Nº de páginas: 256
Gênero: Ficção | Suspense e Mistério
Nota:

SKOOB | GOODREADS

Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra na porta de casa um misterioso pacote com seu nome. Dentro, ele descobre várias fitas cassetes. O garoto ouve as gravações e se dá conta de que elas foram feitas por Hannah Baker, uma colega de classe e antiga paquera, que cometeu suicídio duas semanas atrás. Nas fitas, Hannah explica que existem treze motivos que a levaram à decisão de se matar. Clay é um desses motivos. Agora ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico acontecimento.




Repleto de profundidade e com um grito de alerta para todos nós, "Os 13 Porquês" nos conta uma história de um ponto de vista diferente, mas com um final, infelizmente, bem conhecido.

Adolescentes, ensino médio, a vida na escola e como isso afeta de maneira profunda e até para sempre a vida dos jovens. É nesse mundo que viajamos ao longo da leitura, mas não, a história não tem nada de juvenil, a não ser a imaturidade dos atos cometidos.

São 7 fitas cassetes com 13 histórias, 13 personagens diferentes, 13 motivos, 13 pequenos atos que ajudam uma garota a chegar ao extremo.

Hannah Baker chega à cidade e logo é a novidade na escola, a novata do pedaço. Um tanto ingênua, e romântica, Hannah vê ali naquele recomeço, uma chance de ser feliz, ter novos amigos, quem sabe um primeiro amor!? O tão esperado primeiro beijo!? Esses eram os desejos simples e inocentes de Hannah, como o de qualquer outra menina em sua idade.

O tão sonhado primeiro beijo acontece, e vejam só, com o astro do time de futebol do colégio. Um dos garotos mais bonito, descolado e cobiçado do pedaço! Que sonho, hein!
Mas, o sonho logo vira pesadelo, quando o momento a dois vira piada na escola, quando Hannah vira a "vadia" do pedaço, simplesmente por ter dado seu primeiro beijo, que segundo as más línguas, já virou mais.

A partir daí, incia-se o que a protagonista chama de "Efeito bola de neve", desse primeiro fato são desencadeados muitos outros. E vão crescendo, e crescendo, e se tornando cada vez mais maldosos, e ninguém vê. Ninguém repara que Hannah está cada vez mais isolada, triste e arrasada com tudo isso. Ninguém nota, até ser tarde demais!

Pausa aqui!
Tenho que concordar que, no final, quando Hannah comete o suicídio, ela já estava decidida, ela já tinha desistido, e nada nem ninguém a faria mudar de ideia. Mesmo quando ela diz que tá dando uma última chance a vida e procura alguém pra conversar, naquela mesma conversa ela se autossabota, e impede que a pessoa a ajude. Ali eu entendi que, na verdade, ela não queria mais ajuda, ela já tinha desistido, ela já tinha tomado a decisão no coração dela.

Voltando!
Antes de cometer o suicídio, Hannah grava as fitas e coloca no correio para o primeiro de uma lista que segue a ordem das histórias contadas. A regra é: um tem que passar a fita para o próximo assim que terminar, caso contrário todo o conteúdo das fitas será revelado publicamente.
Começamos a acompanhar a partir do momento em que as fitas chegam as mãos de Clay Jensen, e quando escutamos a história dele entendemos o porquê conhecemos/relembramos a história pelo ponto de vista dele.

A história é narrada pelo ponto de vista dos dois, de Hannah através das fitas, e de Clay conforme as escuta e revive cada momento. Diferente da grande maioria dos livros a narrativa dos personagens não se intercalam em capítulos, elas vão acontecendo simultaneamente, basicamente ao mesmo tempo. Como se Hannah falasse com Clay e ele a respondesse. Mas não se assustem, a  coisa funciona muito bem, e a leitura transcorre numa facilidade e agilidade impressionantes!

Conforme vamos, junto com Clay, ouvindo e descobrindo os porquês de Hannah, nosso coração vai apertando até virar uma bolinha. E no final, eu chorei, e meu coração estava despedaçado e triste por Hannah e por todas as milhares de pessoas que passam por coisas semelhantes.

A história é um alerta para a forma como tratamos o próximo, o como temos facilidade de rir e banalizar o sofrimento do outro. Ás vezes por parecer algo bobo, temos mania de dizer que é drama, mas a gente não conhece o momento que aquela pessoa tá vivendo, o que ela já vem passando, qual a atual carga emocional dela. E ás vezes aquela pequena coisa, aquela gota no oceano pode ser o que vai transborda-la na alma.

O livro é profundo, tocante, triste e de uma importância visceral!!!! TODOS deveriam ler, independente da idade.

Apenas LEIAM!!!



Jaqueline Silva
Carioca, mãe, apaixonada pela família e amigos, viciada em Coca-Cola, chocólatra, apaixonada por livros e filmes, estudante de enfermagem e blogueira nas horas vagas.
Amo blogar e tudo o que a literatura me trouxe. Pra mim ler é poder viajar sem sair do lugar.

5 comentários

  1. Já ouvi críticas boas e ruins sobre esse livro, mas agora deu pra visualizar a história sem interferências, você resenhou muitíssimo bem. Parece um livro interessante e sensível. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Ao mesmo tempo que acho que é um livro que todos deveriam ler, também acredito que nem todos vão estar preparados. É um livro forte, com uma temática delicada e que de fato nos faz pensar. Um livro excelente.
    Gostei bastante da resenha :)

    http://ultimasfolhasdooutono.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Essa semana vi bastante comentários sobre esse livro, por conta da série da netflix, adorei sua resenha e espero conseguir ler e assistir a série em breve.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Esse livro é muito bom, né? Confesso que não gostei taanto dele, senti que faltou muita coisa, se em comparação com outros livros que eu já li e que abordavam suicídio. Mas a série... meu Deus, a série me deixou tonta e os episódios eram tão fortes *-*
    MilkMilks ♥

    ResponderExcluir
  5. Oi Jaqueline, sua linda, tudo bem?
    Tenho lido muitas críticas da série, é bom saber que o livro também
    nos emociona e traz uma trama intensa, apesar de todos acharem que a série é muito melhor. Mas eu acho válido, pois temos dois veículos diferentes, que juntos estão atingindo um grande número de pessoas, e isso é muito bom. Temos que discutir essas questões e mudar a realidade. Não vejo a hora de ler e ver a série. Sua resenha ficou ótima!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita e comentário, volte sempre! =)